Fontinha: quando um despejo corre mal (Portugal)

19 de abril de 2012

O movimento Es.col.a foi, esta quinta-feira, despejado da escola da Fontinha, no Porto, pela polícia. O que podia ter sido simples, acabou com agressões e detenções.

Um grupo desenvolvia actividades de ocupação de tempos livres para jovens da zona, desde Janeiro de 2011,naquele espaço foi despejado por intervenção da polícia.

A ação de despejo começou às 10 da manhã. Nessa altura, um forte aparato policial entrou na antiga escola primária da Fontinha. Ao final do dia, a Câmara do Porto, revelou em comunicado que esteve disponível para permitir a ocupação da escola até ao fim de junho. Queriam um contrato de cedência e o pagamento de uma renda simbólica de 30 euros. Terá sido a recusa do grupo em aceitar, que motivou a ordem de despejo.

Os ânimos estiveram exaltados por diversas vezes. Houve mesmo um elemento do grupo que se regou com gasolina ameaçando imolar-se com o fogo.

Mas também, o sindicato nacional dos bombeiros profissionaiscondenou a utilização dos seus homens nesta acão de despejo, sem ter conhecimento do real serviço que iriam prestar.

 

Fonte: TVI 24

 

Outras notícias:

Ocupas da escola Fontinha despejados

Mais de 100 pessoas protestam contra despejo da Fontinha na CMP

O despejo e os confrontos na antiga escola da Fontinha

Es.Col.A acusa polícias de destruição de todo o material da escola da Fontinha

Bombeiros “sem farda e de cara tapada” usados em despejos

 

Deixe uma resposta

*